top of page
Buscar
  • Foto do escritorjose226

Da Série “Causos Paisagísticos”: Ainda a Kombi

Atualizado: 8 de set. de 2021



Quando fomos para a Amazônia, em 1982, uma das empresas que nos apoiou foi a VARIG. A cada cidade com aeroporto em que chegávamos, segundo nosso acordo, despachávamos por avião, gratuitamente, as mudas coletadas para o Rio de Janeiro, onde uma equipe as recebia e plantava-as no Sítio. Em troca, a empresa solicitou que pudesse pintar os logotipos da VARIG e Cruzeiro do Sul (na época, irmanadas) nas portas dianteiras das duas kombis que fizeram a viagem, a de Burle Marx e a minha. Levei as duas na oficina da empresa, no Caju. E as portas foram pintadas com os logotipos e os dizeres “MUDAS TRANSPORTADAS PELA VARIG – CRUZEIRO”. O combinado foi que, na volta, levaria as kombis outra vez à oficina, para remoção da publicidade e repintura das portas.


Com a Kombi de Roberto foi o que aconteceu. Ele pediu ao seu motorista que fosse ao Caju, e a pintura foi removida imediatamente. Mas a minha demorou um pouco mais. Eu era meu próprio motorista e, quando tinha tempo, não tinha disposição – e vice-versa - e as semanas foram passando.


Permitam-me interromper para um pequeno esclarecimento: Quem tem kombi sabe bem que é impossível passar num posto da Polícia Rodoviária sem ser parado. Deve ser uma espécie de preconceito policial: para eles, dono de Kombi ou transporta produtos sem nota fiscal, ou é vendedor de muamba e coisas roubadas ou ainda traficante ou algo do gênero!


Pois bem, voltando à pintura na porta, comecei a perceber que, de volta ao Rio, quando me aproximava de um posto da PR pela estrada o guarda, como de costume, me mandava encostar. Mas quando ia chegando perto, ele percebia o logo da VARIG na porta e mandava seguir em frente! Nem chegava a parar!


Nunca mais voltei ao Caju para remover aquela pintura! É verdade que eu tinha que explicar a muita gente por que andava numa kombi da VARIG. Mas era isso muito menos penoso do que ser indefectivelmente parado pela Polícia Rodoviária a cada viagem que fazia!


José Tabacow

81 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A Raridade

A Raridade por José Tabacow Burle Marx e seu irmão “Sieg” tiveram uma loja de plantas e flores no Lido, em Copacabana. Certa vez, para enfeitar a loja, o paisagista trouxe uma das orquídeas de sua c

Galeria Bonino

Roberto Burle Marx preparava uma exposição de pintura para a Bonino, famosa galeria de arte em Copacabana. Eram 30 quadros. Não podia ser mais nem menos, em função do espaço da galeria. Retoca um, mud

As Matas do Córrego da Lixa

Era agosto. Tempo seco! O Brasil, como acontece todo ano nesta época, pegava fogo. Nós estávamos em excursão de coleta no interior da Bahia. Mas a viagem não estava muito animadora. Por conta das quei

コメント


bottom of page